O TEMPO

balerina-devushka-shar

 

O TEMPO  

 

Tenho um relógio que não pára,

Até tentei atrasá-lo e enganá-lo.

 

Queria que esperasse meu melhor momento,

Não levando em conta meu pior tempo.

 

Mas não consegui, pois ele trabalha por conta própria a me desafiar,

E mesmo que conseguisse seus milésimos de segundos congelar,

Ele teria seus comparsas que não se deixariam enganar.

 

Ele conta o tempo,

Conta os momentos,

Conta os movimentos...

 

Quero fugir dessa contagem louca!

Tudo perfeitamente medido,

Cronometrado...

 

Criar um mundo a parte:

Diferente,

Separado,

Meio congelado...

 

Paralisar as boas lembranças,

A esperança,

A bonança...

 

Pular as amarguras,

As tristezas,

As fissuras...

 

Reviver as alegrias,

As paixões,

As boas energias...

 

Apagar o ódio,

A vingança,

A distância...

 

Mas o relógio não pára e o tempo voa...

A alegria tem asas...

E a dor e a tristeza sempre voltam a bater em minha casa.

 

Não consigo isso mudar,

O mundo continua a girar...

 

A melhor saída é me reprogramar,

E tentar acompanhar...

 

Se modificar isso em mim, talvez recupere o tempo que espero, pois o relógio não pára e continua sua viagem querendo ensinar:

 

Que a vida é curta demais para desperdiçá-la com

Horas banais,

Minutos em vão,

E segundos triviais.